Armadilha à Felicidade – Exibir Gospel

0
6
Armadilha à Felicidade – Exibir Gospel
Armadilha à Felicidade – Exibir Gospel

Quem lhe faz morrer não é quem Deus tem para você. Quem Deus tem para você lhe fará viver.Amar não é difícil. Como continuar amando de pois de muitos anos é o problema. Amor constante e crescente é o que conduz o casamento permanecer rumo a felicidade. A chama do amor se apagou em muitos casamentos. As razões são variadas.01. O casal não mais faz sacrifícios. Cansa-se das inúmeras tentativas frustradas para manter acesa o amor. Desiste de oferecer a vida um ao outro.02. Um acha que é melhor, superior ao outro; já não dá valor que lhe dava no princípio do casamento e afirma que contribui bem mais para que o casamento dê certo. Cobra e acusa.03. Perde a motivação que o levou casar. Já não mais dá atenção aos detalhes. Pequenas atitudes que anteseram importantes são tratadas como secundárias e desnecessárias.04. Para de tentar coisas novas. O casamento cai na rotina. Atitudes iguais acabam com o entusiasmo.05. Isola-se nas próprias atividades e para de fazer coisas em conjunto. Preocupa-se mais com o próprio bem do que com a felicidade do outro.06. Passa tempo demais no trabalho; dá mais atenção a estranhos do que ao amor; não mais têm tempo para dialogar e sonhar junto. Cultiva o silêncio.07. Faz da vida sexual uma descarga física. Rotina substitui a surpresa.08. Permite que o romantismo acabe; manifestações de afeto tornam-se ausentes. Constantes discussões tomam o lugar do riso. Juras de amor são trocadas por acessos de ira, cobrança e agressões verbais.Riqueza, fama, reconhecimento, não produzem crescimento ou fortalecem o amor. Amor no passado não garante amor no presente. O que foi feito para conquistar um ao outro, precisa continuar sendo feito, ou a felicidade futura estará comprometida. Não basta amar; tem que continuar amando. Sem lenha o fogo se apaga.Tenho contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras. Apocalipse 2:4-5

Silmar Coelho