FinCEN leak suggests new AML measures may not go far enough… for baVazamento do FinCEN sugere que novas medidas AML podem não estar indo longe o suficiente … para os bancosnks

0
8
FinCEN leak suggests new AML measures may not go far enough… for baVazamento do FinCEN sugere que novas medidas AML podem não estar indo longe o suficiente ... para os bancosnks
FinCEN leak suggests new AML measures may not go far enough… for baVazamento do FinCEN sugere que novas medidas AML podem não estar indo longe o suficiente ... para os bancosnks

Documentos vazados da Rede de Execução de Crimes Financeiros dos EUA (FinCEN) implica que os renovados esforços do órgão para identificar transações ilícitas e lavagem de dinheiro podem não estar sendo suficientes. Mas, dessa vez, as instituições descritas como culpadas não são exchanges de criptomoedas, mas alguns dos bancos mais conhecidos do mundo.

O BuzzFeed News relatou, em 20 de setembro, que recebeu milhares de documentos detalhando “relatórios de atividades suspeitas” (SARs) de bancos para o FinCEN entre 2000 e 2017. De acordo com o site de notícias, os relatórios “oferecem uma visão sem precedentes da corrupção financeira global, com os bancos possibilitando-a, e as agências governamentais que assistem enquanto ela floresce. “

Algumas das informações mais controversas nos SARs implicam que o FinCEN tomou pouca ou nenhuma medida para impedir os bancos de permitir a lavagem de dinheiro de indivíduos e instituições suspeitos em algumas ocasiões.

“As leis que visavam impedir o crime financeiro, em vez disso, permitiram que ele prosperasse”, afirma o BuzzFeed News. “Contanto que um banco apresente uma notificação de que pode estar facilitando a atividade criminosa, ele praticamente imuniza a si mesmo e seus executivos contra processos criminais. O alerta de atividade suspeita efetivamente dá a eles um passe livre para continuar movimentando o dinheiro e cobrando as taxas. “

Novas leis AML para instituições financeiras

A notícia do vazamento chega apenas uma semana depois que o regulador financeiro anunciou que faria mudanças radicais em suas regras de combate à lavagem de dinheiro (AML, “anti-money laundering”) destinadas a identificar e combater a atividade financeira ilícita, com requisitos robustos de manutenção de registros e avaliação de risco.

Normas são uma coisa, a aplicação delas é outra. O BuzzFeed News afirma que, embora o cão de guarda financeiro tenha recebido milhões de SARs em um período de 17 anos de muitas instituições financeiras, ele nem sempre foi capaz de forçar os bancos a efetivamente impedir a lavagem de dinheiro.

Os SARs revelam que problemas de lavagem de dinheiro entraram fundo nas instituições financeiras, com o BuzzFeed relatando muitos bancos, incluindo JPMorgan Chase, HSBC, Standard Chartered, Deutsche Bank e Bank of New York Mellon, permitindo “um sistema financeiro paralelo” através do qual fundos ilícitos podem viajar livremente.

De acordo com especialistas, “alguns bancos tratam os SARs como uma espécie de passe para sair da prisão, apresentando alertas sobre uma grande variedade de transações sem realmente fazer um movimento para interrompê-las”, relata a agência de notícias. “Em alguns casos, os bancos apresentaram vários relatórios sobre os mesmos clientes, detalhando suas suspeitas de crimes ao longo dos anos, enquanto continuavam a dar boas-vindas aos seus negócios.”

“As redes pelas quais o dinheiro sujo atravessa o mundo se tornaram artérias vitais da economia global. Elas possibilitam um sistema financeiro paralelo tão amplo e tão desmarcado que se tornou inextricável da chamada economia legítima. Os bancos com nomes conhecidos ajudaram a fazê-lo assim. “

A conexão Mt. Gox

De acordo com o TrustNodes, a instituição que teve os relatórios de atividades mais suspeitas com o FinCEN no último vazamento foi a Mayzus Financial Services (MFS), supostamente um intermediário fiduciário da exchange de Bitcoin BTC-e. A exchange estava supostamente envolvida na movimentação de fundos do infame hack Mt. Gox, no qual ladrões roubaram 850.000 Bitcoin (BTC) em 2014. A criptografia roubada valeria cerca de US$ 9,3 bilhões hoje.

A MFS e suas subsidiárias, incluindo a MoneyPolo, emitiram várias declarações sobre a natureza do relacionamento, embora a empresa tenha declarado que a BTC-e “nunca teve qualquer vínculo direto com nossa empresa, nem estrutural, nem pessoalmente”.

Há alegadamente mais de 2.000 documentos entres os mais recentes arquivos vazados do FinCEN.

LEIA MAIS: