Contadores transformam o Complexo Cultural Samambaia num mar de histórias – SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA

0
28
Contadores transformam o Complexo Cultural Samambaia num mar de histórias – SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA
Contadores transformam o Complexo Cultural Samambaia num mar de histórias – SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA

Texto e edição: Ascom/Secec 29.02.21 17:12:01

 

Era uma vez um ancião muito triste que acreditava que todas as histórias do mundo já tinham sido contadas. Sem esperança, ele saía pelas ruas a pregar que todas as narrativas estavam mortas. Certa vez, uma garotinha que observava aquele triste senhor correu para a mãe e passou a contar a trajetória daquele homem desiludido. O pobre velho sorriu e, num passe de mágica, transformou-se num menino, que correu para bem pertinho daquela pequena contadora e sorriu como nunca tinha feito. Dizem que ele envelheceu de novo. Agora, como um encantador de palavras.

 

“As histórias não têm fim”. Essa é máxima que movem o 1° Festival Horizonte de Histórias, que ocorre de 6 a 21 de fevereiro no Canal YouTube/Instituto Cidade Céu. Nos sábados e domingos, contadores e contadoras de histórias do Distrito Federal movimentam 24 narrativas que estão sendo gravadas no Teatro Verônica Moreno, do Complexo Cultural Samambaia, equipamento gestado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec).

 

“Neste período de pandemia, em que o Complexo Cultural Samambaia (CCS) segue fechado ao público, consideramos fundamental apoiar os artistas que buscam o espaço físico para realizar as gravações. É gratificante contribuirmos para que a cultura se desenvolva num momento ainda deliciado para o setor cultural”, observa Suellen Rodrigues, gerente do equipamento cultural.

 

 

As gravações no CCS seguem atendendo aos protocolos de segurança e de higiene no combate à Covid-19. “Esse apoio é fundamental porque o Complexo Cultural Samambaia tem um teatro, com luz e som, o que garante qualidade para as gravações”, destaca Miriam Rocha, contadora e produtora do evento.

 

PARA TODAS AS IDADES

Leo Carvalho/Divulgação Simone Carneiro vive a Vovó Sissi Leo Carvalho/Divulgação Rose Costa ensaia “Tô Fraca” Leo Carvalho/Divulgação e emenda outra história autoral Leo Carvalho/Divulgação Miriam Rocha agradece ao CCS

 

Com produção do Instituto Cidade Céu (ICC) e Grupo Paepalanthus, o 1° Festival Horizonte de Histórias aposta no poder da imaginação para atrair público de todas as idades. Escritora e contadora, Rose Costa não tem dúvidas de que as fábulas são chaves que libertam as pessoas deste tempo de solidão e tristezas.

 

“Contamos narrativas que se conectam com as raízes, as memórias de infância, mexemos no lúdico e estimulamos a imaginação. Basta começarmos a contar uma história para termos adultos e crianças de olhos brilhantes acompanhando a viagem de cada palavra”, conta a autora das histórias “Quanto Vale o Seu Sorriso?” e “Tô Fraca, Tô Fraca”, ambas na programação do festival online.

 

O Festival Horizonte de Histórias vai reunir diversas gerações de contadores e contadoras de histórias do DF. Com forte veia cômica, Simone Carneiro aponta que cada “contador” tem seu estilo, mas, em comum, todos têm um profundo amor pela arte da narração e um compromisso com o sensível.

 

“Em tempos de escuta limitada e sorrisos esquecidos, quase tudo pode nos separar. Contar histórias é criar pontes que podem nos aproximar”, acredita, destacando o repertório eclético da programação de dramas a comédias (“Happy-Hour com Histórias”), e uma sessão especial para crianças, batizada de “Domingo Encantado”.

 

Festival Horizonte de Histórias Gratuito e transmitido pelo Canal YouTube/Instituto Cidade Céu

Mais informações: institutocidadeceu@gmail.com 

 

PROGRAMAÇÃO

HAPPY- HOUR COM HISTÓRIAS Sempre aos sábados, às 19h

 

06/02 “O Baú de Histórias” (com Grupo Paepalanthus); “Eu Não Sou Uma Mulher?” (com Gleide Firmino); “Zabelinha” (com Ana Solino); “O Caso do Espelho” (com Léo Carvalho).

 

13/02 “O Melhor Contador de Histórias” (com Simone Carneiro); “A Força de uma Tartaruga” (com Hozana Costa); “O Boiada de Cachorros” (com Ângela Café); “Natividade” (com Míriam Rocha).

 

20/02 “Os Três Olhares” (com Rose Costa); “De Morte” (com Iclélia Maranhão);

“O jardim Mágico” (com Míriam Rocha); “Strega Nona” (com Aldanei Menegaz).

 

DOMINGO ENCANTADO

Sempre, às 10h

 

07/02 “A Casa do Coelho” (com Grupo Paepalanthus); “O Tangolamango dos Contos de Fadas (com Hozana Costa); “A Sopa de Pedra” (com Queila Branco); “Quanto Cale o seu Sorriso?” (com Rose Costa).

 

14/02 “A Velha e o Gato (com Iclélia Maranhão); “A Senhorinha” (com Jorge Marinho); “Fofoca Reversa” (com Nyedja Gennari); “O Coelho, a Baleia e o Elefante (com Léo Carvalho).

 

21/02 “Tô Fraca… Tô Fraca” (Rose Costa); “O Jabuti e a Fruta Amarela (com Míriam Rocha, Gleide Firmino, Márcia Costa); “O Lobo e os Sete Cabritinhos (Com Simone Carneiro); “A História da Coca (com Aldanei Menegaz).

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

e-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br