Nova imagem de telescópio revela ainda mais detalhes sobre buraco negro | Exame

0
11
Nova imagem de telescópio revela ainda mais detalhes sobre buraco negro
Nova imagem de telescópio revela ainda mais detalhes sobre buraco negro

nova imagem buraco negro

Nova imagem aponta para comportamento previsto por Einstein na teoria geral da relatividade (EHT collaboration/Divulgação)

O telescópio Event Horizon, que fotografou um buraco negro pela primeira vez em 2019, divulgou novas imagens do objeto astronômico nesta quarta-feira, 24.

As novas imagens são mais detalhadas e mostram a luz polarizada em torno do buraco negro. É a primeira vez que cientistas conseguem capturar a polarização à beira de um buraco negro, apontando para um sinal de fortes campos magnéticos.

O buraco negro em questão está localizado no centro da enorme galáxia Messier 87 (M87), que fica a 55 milhões de anos-luz da Terra. Para conseguir a imagem, o Event Horizon dispôs de super-computadores,  oito telescópios localizados nos cinco continentes, centenas de pesquisadores e quantidades enormes de dados.

Veja também

A imagem também serve para confirmar o trabalho do físico Albert Einstein, cuja teoria geral da relatividade, discutida inicialmente há mais de 100 anos, previu a existência de ondas gravitacionais e que a silhueta ou sombra de um buraco negro seria circular. A imagem divulgada corrobora a tese. “Hoje, a relatividade geral passou em mais um teste crucial”, disse Avery Broderick, cientista envolvido na captura das imagens, em coletiva de imprensa.

O Telescópio Event Horizon também está ajudando os cientistas a responder algumas questões complexas da ciência, como entender como os buracos negros crescem e o que faz o material que orbita ao seu redor eventualmente “cair” dentro do buraco. A pesquisa poderia trazer informações sobre o buraco negro no centro da nossa galáxia, Sagitário A.

“Buracos negros são disruptores da ordem cósmica na maior escala do universo. E eles ajudam a moldar o formato das galáxias e conjuntos de galáxias”, disse Sera Markoff, astrofísica da Universidade de Amsterdam.